Perfil agrícola do solo para a produção de mandioca na área do sítio arqueológico Lago Rico, Aruanã, Goiás

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i2.876

Palavras-chave:

agricultores-ceramistas, aptidão agrícola, pedologia

Resumo

Este artigo apresenta os resultados da pesquisa realizada no sítio arqueológico Lago Rico (Aruanã, Goiás, Brasil), referentes à aptidão agrícola para o cultivo de mandioca (Manihot esculenta Crantz). O sítio foi delimitado por prospecção superficial visual e as amostras de solos, obtidas em quatro pontos, três deles com intervalos entre 0-0.20 e 0.20-0.40 metros, e em um perfil natural nos Horizontes A e B. A partir das análises físico-químicas das amostras, do manejo agrícola pelo sistema de coivara, das aptidões dos solos, das características do relevo e das exigências para o cultivo desse gênero, de acordo com as referências bibliográficas, observaram-se valores de produtividade mínima de 6t/ha, que poderiam abastecer um grupo de até 40 pessoas, por aproximadamente 65 dias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVAREZ VÊNEGAS, Victor H.; RIBEIRO, A. C. Calagem. In: RIBEIRO, Antonio C.; GUIMARÃES, Paulo Tácito. G.; ALVAREZ VENEGAS, Victor H. (Eds.). Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais. 5ª aproximação. Viçosa: CFSEMG, 1999. p. 43-60.

BARBOSA, Jordana B. Tempo, marcas e vestígios na paisagem vivida: arqueoestratigrafia do sítio Lago Rico - Aruanã-Goiás. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2015.

BARBOSA, Jordana B. A aplicação da geoquímica e micromorfologia na detecção de solos antrópicos em assentamentos ceramistas Uru na bacia do Rio Araguaia, Goiás, Brasil. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

BERTRAND, Georges. Paisagem e Geografia Física global: um esboço metodológico. Curitiba: R. RA´E GA; UFPR, n. 8, p. 141-152, 2004.

BICHO, Nuno F. Manual de arqueologia pré-histórica. Lisboa, 2006.

BITENCOURT, A. L. Princípios, métodos e algumas aplicações da Geoarqueologia. In: Julio C. R. RUBIN; SILVA, Rosicler T. Geoarqueologia: teoria e prática. Goiânia: UCG, 2008.

BLEAM, William F. Clay Mineralogy and Clay Chemistry. Soil and Environmental Chemistry, 2012. p. 85-116. Disponível em: <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/B9780124157972000030>. Acessado em: 20 maio 2014.

BROCHADO, José P. Alimentação na Floresta Tropical. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 1977.

CORREA, Daniel S. Pedologia e subsistência: sítio arqueológico pré-colonial Lago Rico, Aruanã-Goiás. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2014.

CORREA, Daniel S.; RUBIN, Julio C. R. Potencial agrícola da área do sítio arqueológico Lago Rico, Nova Crixás-GO. Anais da Semana de Ciência e Tecnologia da PUC Goiás 2014, Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social, Goiânia, 2014.

CRIADO-BOADO, Felipe. Del terreno al espacio: planteamientos y perspectivas para la arqueología del paisaje. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela, 1999.

BAGGIO, Hernando; HORN, Heinrich A.; COSTA, Thiago M. Análise geoquímica dos solos em áreas de sepultamento pré-histórico, sítio arqueológico Cemitério Caixa D'Água Buritizeiro-MG. Anais do 13º Simpósio de Geologia da Amazônia, Belém, 2013.

DIAS, Adriana S. Novas perguntas para um velho problema: escolhas tecnológicas como índices para o estudo de fronteiras e identidades sociais no registro arqueológico. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 2, n. 1, p. 59-76, jan./abr. 2007.

DONAGEMA, Guilherme K., CAMPOS, David V., CALDERANO, Sebastião B., TEIXEIRA, Wenceslau G.; VIANA, João H. M. Manual de métodos de análise de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca e Fruticultura. Cultivo da mandioca. Embrapa Informação Tecnológica, 2004.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisas de Solo. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa-SPI, 2009.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca e Fruticultura. Cultivo da mandioca. Embrapa: Versão eletrônica, 2014. Disponível em: . Acessado em: 20 maio 2014.

ESTRELA, Vitória P. Considerações sobre a análise cerâmica de unidade de escavação 3 do sítio Lago Rico, Aruanã-GO. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2017.

FRASER, James A; CLEMENT, Charles R. Dark Earths and manioc cultivation in Central Amazonia: a window on pre-Columbian agricultural systems? Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 3, n. 2, p. 175-194, maio/ago. 2008.

FREITAS, Joanne Ester Ribeiro. Análise arqueoestratigráfica e geoquímica do sítio arqueológico Lago Rico, Aruanã, Goiás. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2017.

GOIÁS, E. D. Mapa Geomorfológico do estado de Goiás. Secretária de Indústria e Comércio. Goiânia, 2005.

GOIÁS, E. D.Geomorfologia do estado de Goiás e Distrito Federal. Superintendência de Geologia e Mineração. Goiânia, 2006.

HONORATO, Laina C. Arqueologia da paisagem e georqueologia: experiências em projetos de pesquisa. Revista Tópos, Presidente Prudente, v. 3, n. 1, p. 126-147, 2009.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cartas temáticas. Diretório de Geociências: Versão eletrônica, 2014. Disponível em: . Acessado em: 10 abr. 2014.

LIMA FILHO, Manuel F. Hetohoky: um rito Karajá. Goiânia: UCG, 1994.

LIMA FILHO, Manuel F. Karajá de Aruanã. In: MOURA, Marlene C. O. Índios de Goiás: uma perspectiva histórico-cultural. Goiânia: UCG; Vieira; Kelps, 2006. p. 135-152.

LIMA, Hedinaldo N.; SCHAEFER, Carlos E. G. R.; KÄMPF, Nestor; COSTA, Marcondes L.; SOUZA, Kleberson W. Características químicas e mineralógicas e a distribuição de fontes de fósforo em Terras Pretas de Índio da Amazônia Ocidental. In: TEIXEIRA, Wenceslau G.; KERN, Dirse C.; MADARI, Beáta E.; LIMA, Hedinaldo N.; WOODS, William. As terras pretas de índio da Amazônia: sua caracterização e uso deste conhecimento na criação de novas áreas. Manaus: Embrapa Amazônia Ocidental, 2009.

LUZ, Maria José S.; FERREIRA, Gilvan B., BEZERRA, José R. C. Adubação e correção do solo: procedimentos a serem adotados em função dos resultados da análise do solo. Embrapa: Campina Grande, 2002.

MARCOS, Samara D. F. Área de captação de recursos do sítio arqueológico Cangas I, Aruanã, Goiás. Relatório final de iniciação científica. Goiânia: PUC Goiás, 2011a.

MARCOS, Samara D. F. Área de captação de recursos do sítio arqueológico Cangas I, Aruanã, Goiás. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2011b.

MODESTO JUNIOR, Moisés S.; ALVES, Raimundo N. B.; SILVA, Enilson S. A. Produtividade de mandioca de agricultores familiares no baixo Tocantins. Anais do XIII Congresso Brasileiro de Mandioca, Botucatu, 2009.

MUNIZ, Estella T. B. Sítio arqueológico Lago Rico: geoarqueologia fluvial no contexto do Rio do Peixe (Aruanã-Goiás). Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2016.

NEVES, Eduardo G. Os índios antes de Cabral: arqueologia e história indígena do Brasil. In: SILVA, Aracy L.; GRUPIONI, Luís D. B. A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC; MARI; Unesco, 1995. p. 171- 196.

NIMUENDAJÚ, Curt. Mapa Etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes (1944). Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1980.

ORTEGA, Daniela D. A cerâmica arqueológica do sítio Lago Rico: questões sobre funcionalidade, funcionamento e função. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2016.

PESSOA-DE-SOUZA, Marco A; ALMEIDA, Rherison T. S; NEVES, Cláudia M. N; CASTRO, João P. V; CASTRO, Selma S. Chemical behavior of Quartzipsamment soils in Mineiros, Southwest Goiás. Revista de Geociências, v. 34, n. 3, p. 335-347, 2015.

REBELLATO, Lillian. Interpretando a variabilidade cerâmica e as assinaturas químicas e físicas do solo no sítio arqueológico Hatahara-AM. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

RENFREW, Colin; BAHN, Paul. Arqueología: teorías, métodos y prática. Akal. 3. ed. Madrid, 2007.

RIBEIRO, José F.; WALTER, Bruno M. T. Fitofisionomias do bioma cerrado. In: SANO, Sueli M.; ALMEIDA, Semíramis P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa-CPAC, 1998.

ROGGE, Jairo H. Adaptação na floresta sub-tropical: a tradição Tupiguarani no médio Rio Jacuí e no Rio Pardo. Arqueologia do Rio Grande do Sul Documentos 6, São Leopoldo, v. 6, p. 1-156, 1996.

RONQUIM, Carlos C. Conceitos de fertilidade do solo e manejo adequado para as regiões tropicais. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2010.

RUBIN, Julio. C. R. SILVA, Rosícler T.; BAYER, Maximiliano; BARBERI, Maira; BARBOSA, Jordana B.; ORTEGA, Daniela D.; ESTRELA, Vitória P.; FREITAS, Joanne E. R.; VIANA, Sibeli A. Ocupação pré-colonial na bacia hidrográfica do Rio Araguaia, estados de Goiás e Mato Grosso, Brasil: síntese aproximada e dois estudos de casos. Revista del Museo de La Plata, v. 4, p. 401-436, 2019.

SANTOS, Raphael D.; LEMOS, Raimundo C.; SANTOS, Humberto G.; KER, João C; ANJOS, Lúcia H. C. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. Viçosa, MG: Embrapa, 2005.

SCHMIDT, Morgan J. A formação de Terra Preta: Análise de sedimentos e solos no contexto arqueológico. In: MAGALHÃES, Marcos P. (Org.) Amazônia antropogênica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2016.

SCHMITZ, Pedro I.; BARBOSA, Altair S.; WÜST, Irmhild. Arqueologia de Goiás em 1976. Goiânia: Universidade Católica de Goiás; Instituto Anchietano de Pesquisas; Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 1976.

SCHMITZ, Pedro I.; WÜST, Irmhild; COPE, Silvia M. Arqueologia do centro-sul de Goiás: uma fronteira de horticultores indígenas no centro do Brasil. São Leopoldo: Unisinos, 1982.

SCHMITZ, Pedro I.; BARBOSA, Altair S. Horticultores pré-históricos do estados de Goiás. São Leopoldo: IAP-Unisinos, 1985.

SETZ, Eleonore Z. F. Ecologia alimentar de um grupo indígena: comparação entre aldeias Nambiquara de floresta e cerrado. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1983.

SHAMSHUDDIN, Jusop. The charge properties of highly weathered tropical soils. Geological Society of Malaysia Annual Geological Conference, v. 2, p. 4-6, 2001.

SIEG, Sistema Estadual de Estatística e Informações Geográficas de Goiás. Arquivos vetoriais. Versão eletrônica, 2014. Disponível em: <http://www.sieg.go.gov.br/siegdownloads/>. Acessado em: 20 abr. 2014.

SILVA, Raguiara P.; ROLIM, Mário M.; GOMES, Igor F.; PEDROSA, Elvira M. R.;

TAVARES, Uilka E.; SANTOS, Alexandre N. Numerical modeling of soil compaction in a sugarcane crop using the finite element method. SOIL&TILLAGE RESEARCH, v. 181, p. 1-10, 2018.

SILVA, Rosícler T. Horticultores ceramistas do Planalto Central brasileiro: análise de 20 anos de pesquisa (1970-1990). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1995.

SILVA, Sergia M. Análise da área de captação de recursos do sitio arqueológico Lago Rico, Aruanã - Goiás. Monografia (Graduação em Arqueologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2014.

SOUSA, Djalma M. G.; LOBATO, Edson. Cerrado: correção do solo e adubação. 2. ed. Brasília: Embrapa, 2004.

SOUZA, Luciano S.; FIALHO, Josefino F. Cultivo da mandioca para a região do cerrado. Embrapa Mandioca e Fruticultura. Brasília: Embrapa, 2003. Disponível em: <https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mandioca/mandioca_cerrados/index.htm>. Acessado em: 20 abr. 2014.

SPOSITO, Garrison. Ion exchange. In: SPOSITO, Garrison. The chemistry of soils. New York: Oxford University Press, 1989. p. 363–370.

STEWARD, Julian H. Handbook of South American Indians: the tropical forest tribes. United States Government Printing Office. Washington, 1948.

THIES, Úrsula M. E. Tradição Uru - Fase Aruanã. In: SCHMITZ, Pedro I. BARBOSA, Altair S.; WÜST, Irmhild. Arqueologia de Goiás em 1976. Goiânia: Universidade Católica de Goiás; Instituto Anchietano de Pesquisas; Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 1976.

TUDELA, Diego R. G. Caracterização físico-química de sedimentos do sítio arqueológico Lapa Grande de Taquaraçu, MG. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, São Paulo, 2013.

TARGULIAN, Victor O., GORYACHKIN, Sergey V. Soil memory: Types of record, carriers, hierarchy and diversity. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, 21, p. 1-8, 2004.

VERONEZE, Ellen. A ocupação do Planalto Central Brasileiro: o nordeste do Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 1992.

WATERS, Michael R. Book review. Geoarchaeology, v. 14, n. 4, p. 365-373, 1999.

WÜST, Irmhild; BARRETO, Cristiana. The ring villages of central Brazil: a challenge for Amazonian archaeology. Latin American Antiquity, n. 10, p. 1-21, 1999.

WÜST, Irmhild. A cerâmica Karajá de Aruanã. Anuário de Divulgação Científica, 1975.

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

SANTOS CORREA, D. dos; RUBIN DE RUBIN, J. C.; PESSOA-DE-SOUZA, M. A. .; THEODORO DA SILVA, R. . Perfil agrícola do solo para a produção de mandioca na área do sítio arqueológico Lago Rico, Aruanã, Goiás. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 182–202, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i2.876. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/876. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo