Rodinhas de chinelo de borracha ao combate

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i2.909

Palavras-chave:

campesinato, havaianas, reuso

Resumo

O texto aborda a cultura material dos camponeses do sertão a partir das rodinhas de chinelos que são produzidas enquanto materialidades criativas que invertem funções presumidas de produtos industrializados no âmbito de lógicas camponesas. A abordagem é arqueológica, diacrônica e regional para analisar o refugo de unidades domésticas entre Ceará, Piauí e Pernambuco. Parte-se da crítica aos discursos de pobreza, isolamento, homogeneidade cultural e morte do campesinato frente à chegada de lógicas urbano-industriais, consumistas e modernas ao campo. As rodinhas, representantes do universo infantil, permitem notar como economias simbólicas se apropriam de objetos gestados sob práticas modernas, criando materialidades a partir do reúso, as quais resistem à imposição consumista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SABER, Aziz. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Estudos Avançados, v. 13, n. 36, p. 7-55, 1999.

ADAMS, William H. Dating Historical sites: the importance of understanding time lag in acquisition, curation, use, and disposal of artifacts. Historical Archaeology, v. 2, n. 37, p. 38-64, 2003.

ADICHIE, Chimamanda N. O Perigo de uma História Única. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

ALBUQUERQUE, Durval. A Invenção do Nordeste e Outras Artes. São Paulo: Cortez, 2009.

ALMEIDA, Mario W. B. Narrativas agrárias e a morte do campesinato. Ruris, v. 1, n. 2, p. 157-186, 2007.

ALVES, Rubem. Quando Eu era Menino. Campinas: Papirus, 2003.

AMARAL, Daniela M. Loiceiras, potes e sertões: um estudo etnoarqueológico de comunidades ceramistas no agreste central pernambucano. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

BAXTER, Jane E. The Archaeology of Childhood: Children, Gender and Material Culture. Oxford: Altamira Press, 2005.

BEAUDRY, Mary C. Doing the Household: new approaches to the Archaeology of Households. In: BARILE, Kerri S.; BRANDON, Jamie C. (ed.). Theorizing the Domestic Sphere in Historical Archaeology. Alabama: Alabama University Press, 2004, p. 254-262.

BOURDIEU, Pierre. O Desencantamento do Mundo: Estruturas Econômicas e Estruturas Temporais. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: Sobre a Teoria da Ação. Campinas: Papirus, 2005.

CANCLINI, Nestor. Culturas Híbridas. São Paulo: Edusp, 2006.

CÂNDIDO, Antônio. Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Ouro sobre Azul, 2010.

COHN, Clarisse. Antropologia da criança. São Paulo: Zahar, 2005.

COSTA, Verlaine L.; ESCORSIM, Sérgio; COSTA, Deneive L. Sandálias Havaianas: um case de sucesso brasileiro. Congresso Internacional de Administração, v. 20, 2007.

CRAWFORD, Sally. The archaeology of playthings: theorizing a toy stage in the “biography” of objects". Childhood in the past, v. 2, p. 56-71, 2009.

DALSÅRG, Anne L. Sobre os “pés de chinelo” e a possibilidade de mudança. Revista de Ciências Sociais, n. 34, p. 255-264, 2011.

DAMATTA, Roberto. Sabem com quem está falando? Um ensaio sobre a distinção entre indivíduo e pessoa no Brasil”. In: DAMATTA, R. Carnavais, Malandros e Heróis. Rio de Janeiro, Rocco, 1997, p. 179-248.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano, v. 1. Petrópolis: Vozes, 2007.

FERREIRA, Catarina. Arqueologia da paisagem caieirista no município de Parnamirim – PE. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Departamento de Arqueologia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

FERREIRA, Leila C. A centralidade da interdisciplinaridade nos estudos sobre ambiente e sociedade. Política e Sociedade, v. 4, n. 7, p. 185-201, 2005.

FISHER, Tim. Plásticos: a cultura através das atitudes em relação aos materiais artificiais. In: BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. (org.). Cultura, Consumo e Identidade. São Paulo, FGV, 2006, p. 91-107

FOSTER, George. Peasant society and the image of limited good. American Anthropologist, v. 67, n. 2, p. 293-315, 1965.

FREITAS, Juliana. O Lugar certo é aqui: paisagem e território no Alto Sertão Baiano, Comunidade Cristina. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

FUNARI, Pedro P. A.; PELEGRINI, Sandra. Patrimônio Histórico e Cultural. São Paulo: Zahar, 2009.

GARCIA-PAPET, Marie-France. A sociologia da economia de Pierre Bourdieu. Sociologia & Antropologia, v.3, n. 5, p. 91-117, 2013.

GIDDENS, Antony. Sociologia. Rio de Janeiro: Calouste Gulbenkian, 2001.

GODÓI, Emília P. O Trabalho da Memória. Campinas: Unicamp, 1999.

GODÓI, Emília P. Reciprocidade e circulação de crianças entre camponeses do Sertão. In: GODÓI, Emília P.; MENEZES, Marilda A.; MARIN, Rosa A. (org.). Diversidade do Campesinato: Expressões e Categoriais, v. 2. São Paulo: Unesp, 2009, p. 289-302.

GOMES, Adriana S. Havaianas: com o mundo a seus pés. HSM Management, n. 48, 2005.

GONZALEZ-RUIBAL, Alfredo. Supermodernity and archaeology. In: SMITH, Claire. (ed.). Encyclopedia of Global Archaeology. Nova York: Springer, 2014, p. 7125-7134.

GONZALEZ-RUIBAL, Alfredo; HERNANDO, Almudena. Genealogies of destruction: An archaeology of the contemporary past in the Amazon forest. Archaeologies, v. 6, n. 1, p. 5-28, 2010.

HECKENBERGER, Michael. Forma do espaço, língua do corpo e história xinguana. In: FRANCHETTO, Bruna. (org.). Alto Xingu: uma sociedade multilíngue. Rio de Janeiro, Museu do Índio, 2011, p. 235-278.

JOHNSON, Michael H. Historical, Archaeology, Capitalism. In: LEONE, Mark; POTTER JR., Parker B. (org.). Historical Archaeologies of Capitalism. Nova York, Plenum, 1999, p. 219-232.

KAMP, Kathryn A. Where have all children gone? The Archaeology of Childhood. Journal of Archaeological Method and Theory, v. 8, n. 1, p. 1-34, 2001.

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultura das coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun (org.). A Vida Material das Coisas. Niterói: EDUFF, 2008, p. 89-123

LILLEHAMMER, Grete. Archaeology of children. Complutum, v. 2, n. 2, p. 15-45, 2010.

LIMA, Tânia A. The dark side of toys in nineteenth-century Rio de Janeiro, Brazil. Historical Archaeology, v. 46, n. 3, p. 63-78, 2012.

LUIK, Heidi. Could broken bones combs have had new lives? Estonian Journal of Archaeology, n. 12, v. 2, p. 152-162, 2008.

MAGER, Gabriela B. Havaianas, por que todo mundo usa? O espaço social da marca e o design na contemporaneidade. Tese (Doutorado em Design) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2013.

MEDEIROS, Gisele A. Sandálias de borracha: uma proposta de trabalho temática para o conteúdo de polímeros. TCC (Graduação em Química) – Instituto de Química, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

MILLER, Daniel. Coca-Cola: a black sweet drink from Trinidad. In: BUCHLI, Victor (ed.). The material culture reader. Berg: Oxford, 2002, p. 245-263.

MILLER, Daniel. Consumo como cultura material. Horizontes Antropológicos, v. 13, n. 28, p. 33-63, 2007.

MOL, Arthur P. J. Globalization and environment: between apocalypse-blindness and ecological modernization. In: SPAARGAREN, Gert; MOL, Arthur P. J.; BUTTEL, Frederick H. (ed.) Environment and global modernity. Londres: Sage, 2000, p. 121-149.

MOURA, Herbert. As panelas de barro de Pernambuco: do século XIX ao XXI. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

NOGUEIRA, Verena S. Trabalho assalariado e campesinato: uma etnografia com famílias camponesas”. Horizontes antropológicos, v. 19, n. 39, p. 241-268, 2013.

OLSEN, Bjørnar. Material culture after-text: re-membering things. Norwegian Archaeological Review, v. 36, n. 2, p. 87-104, 2003.

ORSER JR., Charles E. A Historical Archaeology of the Modern World. Nova York: Plenum Press, 1996.

PEREIRA, Rodrigo. Materiais Plásticos e Arqueologia: um novo campo de estudos para o conhecimento do passado. Revista Arqueologia Pública, v. 12, n. 21, p. 3-30, 2018.

PINENT, Lívia S. O chinelo que mudou de classe: a trajetória da Havaianas em perspectiva antropológica. TCC (Graduação em Ciências Sociais) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

PIRES, Flávia. Crescendo em catingueira: criança, família e organização social no semiárido nordestino. Mana, v. 18, n. 3, p. 539-561, 2012.

PIRES, Flávia. O que as crianças podem fazer pela Antropologia? Horizontes Antropológicos, v. 16, n. 34, p. 137-157, 2010.

POLITIS, Gustavo. Arqueología de la infancia: una perspectiva etnoarqueológica. Trabajos de Prehistoria, v. 55, n. 2, p. 5-19, 1998.

QUEIROZ, Luiz A. P. Água fria é no pote do Cariri Cearense. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Departamento de Arqueologia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.

REDCLIFT, Michael. Reavaliando o consumo: uma crítica a premissas da gestão ambiental. In: HERCULANO, Selene; PORTO, Marcelo F. S.; FREITAS, Carlos M. (org.). Qualidade de Vida e Riscos Ambientais. Niterói: Eduff, 2000, p. 111-124.

REDFIELD, Robert. Peasantry: part-societies. In: REDFIELD, R. The Little Community, Peasant Society and Culture. Chicago: University of Chicago Press, 1960, p. 23-39.

SAHLINS, Marshall. Sociedades Tribais. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

SAHLINS, Marshall. O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção (parte I). Mana, v. 3, n. 1, p. 41-73, 1997.

SCHIFFER, Michael B. Archaeological context and systemic context. American Antiquity, v. 37, n. 2, p. 156-165, 1972.

SCOTT, James. Formas cotidianas da resistência camponesa. Raízes, v. 21, n. 1, p. 10-31, 2002.

SCOTT, James. Weapons of the weak: everyday forms of peasant resistance. New Haven: Yale University Press, 1985.

SHANIN, Theodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista”. Nera, v. 8, n. 7, p. 1-21, 2005.

SIGAUD, Ligia. Armadilhas da honra e do perdão: usos sociais do direito na mata pernambucana. Mana, v. 10, n. 1, p. 131-163, 2004.

SILVA, Roberto M. A. Entre dois paradigmas: combate à seca e convivência com o semiárido. Sociedade e Estado, v. 18, n. 1/2, p. 361-385, 2003.

SKIBO, James. Pottery function. A Use-Alteration Perspective. Nova York: Plenum Press, 1992.

SMITH, Michael; VETH, Peter; HISCOCK, Peter; WALLIS, Lynley A. Global Deserts in Perspective. In: VETH, Peter; SMITH, Mcihael; HISCOCK, Peter. (ed.). Desert Peoples: Archaeological Perspectives. Wiley-Blackwell, 2005: p. 1-14.

SNEDDON, Andrew. Rose-colored glasses: The Mountain Street Site, Sydney and its limitations in the search for vanished slum communities. Australian Archaeology, n. 63, p. 1-8, 2006.

SOUZA, Marcos A. T. Por uma arqueologia da criatividade: estratégias e significações da cultura material utilizada pelos escravos no Brasil. In: AGOSTINI, Camilla. (org.). Objetos da escravidão. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, p. 11-36.

SPINACÉ, Márcia A. S.; DE PAOLI, Marco A. A tecnologia da reciclagem de polímeros. Química Nova, v. 28, n. 1, p. 65-72, 2005.

SYMANSKI, Luís C. Práticas econômicas e sociais no sertão cearense no século XIX: um olhar sobre a cultura material de grupos domésticos sertanejos. Revista de Arqueologia, v. 21, n. 2, p. 73-96, 2008.

TASSINARI, Andréia. Múltiplas infâncias: o que as crianças indígenas podem ensinar para quem já foi à escola ou A Sociedade contra a Escola. In: Anais do 33º Encontro Anual da ANPOCS, 2009.

TAUSSIG, Michel. O Diabo e o Fetichismo da Mercadoria na América do Sul. São Paulo: Unesp, 2010.

TERNUS, Carline; PETERMANN, Juliana. A história das Havaianas e a construção de um mito: o jeitinho brasileiro que todo mundo usa”. Cadernos de Comunicação, v. 15, n. 2, p. 1-14, 2011.

VELHO, Osvaldo. Mistura ou diferença: qual esperança na globalização e na crise? Ciência Hoje, n. 166, p. 1-11, 2000.

VINCENT, Joan. A sociedade agrária como fluxo organizado: processos de desenvolvimento passados e presentes”. In: FELDMAN-BIANCO, Bela. (org.). A Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo: Global, 1987, p. 375-402.

WANDERLEY, Maria N. B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, p. 25-44, 2014.

WOORTMANN, Ellen F. Herdeiros, Parentes e Compadres. São Paulo-Brasília: Hucitec-UnB, 1995.

WOORTMANN, Ellen F. O Sítio Camponês. Anuário Antropológico, v. 81, p. 164-203, 1983.

ZANETTINI ARQUEOLOGIA. Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico da Ferrovia Transnordestina Programa de Resgate Arqueológico. Trechos: Eliseu Martins/PI – Trindade/PE, Porto Suape/ PE – Salgueiro/PE e Missão Velha/CE – Porto Pecém/CE. Relatório Final de Resgate, Trecho Eliseu Martins Trindade/PI – Trindade/PE. São Paulo: Zanettini Arqueologia, 2014.

ZANETTINI, Paulo E. Por uma arqueologia de Canudos e dos brasileiros iletrados. Revista Canudos, p. 167-171, 1996.

ZARANKIN, Andrés; SALERNO, Melissa. Sobre bonecas e carrinhos"; desconstruindo as categoriais "feminino" e "masculino" no passado. Especiaria, v. 11-12, n. 20-21, p. 219-240, 2010.

ZARANKIN, Andrés; SENATORE, Maria X. Archaeology in Antarctica: nineteenth-century capitalism expansion strategies. International Journal of Historical Archaeology, v. 9, p. 43-56, 2005.

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

ABREU E SOUZA, R. de. Rodinhas de chinelo de borracha ao combate. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 40–60, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i2.909. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/909. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo