A gênese das galerias subterrâneas do planalto sul brasileiro

Autores

  • Leonardo Waisman de Azevedo Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Silvia Moehlecke Copé Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v25i1.344

Palavras-chave:

Galerias subterrâneas, tradição Taquara, paleotocas

Resumo

Neste artigo apresentamos reflexões a respeito das origens das galerias subterrâneas do planalto meridional brasileiro. Arqueologicamente elas foram associadas à tradição Taquara, como trabalhos de populações pré-históricas ou aproveitamento de estruturas naturais. Estas mesmas galerias são estudadas pela paleontologia, que as reconhecem como vestígios de paleotocas de animais extintos da megafauna do pleistoceno. A revisão da bibliografia sobre o tema e a escavação de um conjunto de galerias e estruturas semi-subterrâneas em um contexto da tradição Taquara, sob uma perspectiva interdisciplinar, nos permitiu concluir
que as populações pré-históricas não escavavam galerias subterrâneas, e que as galerias a elas atribuídas tratam-se de sítios paleontológicos que por vezes foram aproveitados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERGQVIST, L.P. & MACIEL, L. 1994. Icnofósseis de mamíferos (crotovinas) na planície costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. An. Acad. Bras. Ci, 66:2:189-197.

BUCHMANN, F. S.; CARON, F.; LOPES, R. P.; TOMAZELLI, L. J. 2003. Traços fósseis (paleotocas e crotovinas) da megafauna extinta no Rio Grande do Sul, Brasil. Anais do IX Congresso da ABEQUA – Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, Recife.

BUCHMANN, F. S.; FARIAS, D. S. E.; FORNARI, M. 2008. Ocupação das paleotocas de tatus gigantes extintos por índios do grupo Jê no sul de Santa Catarina, Brasil. Resumos do VI Encontro SAB Sul, Tubarão, pp.35.

BUCHMANN, F.S.; FORNARI, M.; FRANK, H.T.; CARON, F.; LOPES, R.P.; LIMA, L.G.; AZEVEDO, L.W.; SALUN FILHO, W.; KARMANN, I. 2009a. Geometria e Dimensão de Paleotocas de Xenartros Dasipodídeos Extintos. Anais da Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia, Paleo SP 2009, Guarulhos.

BUCHMANN, F.S.; FORNARI, M.; FRANK, H.T.; SALUN FILHO, W.; CARON, F.; LOPES, R.P.; LIMA, L.G.; AZEVEDO, L.W. 2009b. Estudo das Marcas Internas em Paleotocas de Xenartros Dasipodídeos Extintos. Anais da Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia, Paleo SP 2009, Guarulhos.

BUCHMANN, F.S.; LOPES, R.P.; CARON, F., 2009c. Icnofósseis (Paleotocas e Crotovinas) atribuídos a Mamíferos Extintos no Sudeste e Sul do Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia, Sociedade Brasileira de Paleontologia, 12:3:247-256.

CARMO, F.F.; CARMO, F.F.; BUCHMANN, F.S.; FRANK, H.T.; JACOBI, C.M. 2011. Primeiros registros de paleotocas desenvolvidas em formações ferríferas, Minas Gerais, Brasil. Anais dos 31º Congresso Brasileiro de Espeleologia, Ponta Grossa, 531:540.

COLLINS, M.B. 1989/1990. Una Propuesta Conductual para el Estudio de la Arqueologia. Lítica. Etnia, Buenos Aires, 34-35:47-65.

COPÉ, S.M. & SALDANHA, J.D.M. 2002. Em busca de um sistema de assentamento para o planalto sul rio-grandense: escavações no sítio RS-NA-03, Bom Jesus, RS. Pesquisas, Antropologia 58, IAP, São Leopoldo, pp. 107-120.

COPÉ, S.M.. 2003. 2º Relatório parcial do trabalhos arqueológicos de campo realizados no canteiro de obras da UHE Barra Grande, margem esquerda do Rio Pelotas, RS. NuPArq/UFRGS.

COPÉ, S.M. 2006a. Les Grands Constructeurs Precoloniaux du Plateau du Sud Brésil: Étude de Paysages Archeéologiques à Bom Jesus, RS – Brésil. Tese de Doutorado. Paris, École dês Hautes Étude em Sciences Sociales. Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne.

COPÉ, S.M. 2006b. Arqueologia da arquitetura: ensaios sobre complexidade, performance e processos construtivos das estruturas semi-subterrâneas do planalto gaúcho. Anais do V Encontem tro do Núcleo Regional Sul da Sociedade de Arqueologia Brasileira – SAB/Sul. Rio Grande.

DONDAS, A.; ISLA, F.I.; CARBALLIDO, J.L. 2009. Paleocaves exhumed from the Miramar formation (Ensenadan Stage-age, Pleistocene). Mar del Plata, Argentina, Quaternary International.

FRANK, H.T.; BUCHMANN, F.S.; RIBEIRO, A.M.; LOPES, R.O.; CARON, F.; LIMA, L.G. 2008. New palaeoburrows (ichnofossils) in the state of Rio Grande do Sul, Brazil (southeastern edge of the Paraná Basin, South America). Resumos da Reunião Annual da Sociedade Brasileira de Paleontologia – Paleo 2008, Porto Alegre, p. 27. Apresentação de Power Point disponível em:http://www.ufrgs.br/paleotocas/Producao.htm, acessado em março de 2012.

FRANK, H.T.; BUCHMANN, F.S.; CARON, F.; LIMA, L.G.; LOPES, R.P. 2009. Density of large palaeovertebrate underground shelters in the region north of Porto Alegre (Rio Grande do Sul - Brazil). Resumos e Programação, Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia - Paleo RS 2009, São João do Polêsine.

FRANK, H.T.; LIMA, L.G.; CARON, F. BUCHMANN, F.S.; FORNARI, M.; LOPES, R.P. 2010a. The megatunnels of the South American Pleistocene megafauna. Simposio Latinoamericano de Icnología, Novembro 2010, São Leopoldo, Resúmenes/Abstracts, p. 39.

FRANK, H.T.; LIMA, L.G.; CARON, F.; BUCHMANN, F.S.; FORNARI, M.; LOPES, R.P. 2010b. Palaeovertebrate tunnels from the granitic area of Porto Alegre and Viamão (Rio Grande do Sul, Brazil). Simposio Latinoamericano de Icnología, Novembro 2010, São Leopoldo, Resúmenes/Abstracts, p. 40.

FRANK, H.T.; BUCHMANN, F.S.; LIMA, L.G.; CARON, F.; LOPES, R.P.; FORNARI, M. 2011. Karstic features generated from large palaeovertebrate tunnels in southern Brazil. Espeleo- -Tema, Campinas, 22:1:79-93.

LA SALVIA, F. 1983. A habitação subterrânea: uma adaptação ecológica. A arquitetura no rio grande do sul. WEIMER, G (Org.). Mercado Aberto, Porto Alegre, pp. 7-26.

MONTICELLI, G. & LANDA, B.S. 1999. Vistoria arqueológica em Cambará do Sul, RS. Revista do CEPA, Santa Cruz do Sul, 23:29:162-169.

PADBERG-DRENKPOL, J.A. 1933. Mysteriosas galerias subterraneas em Santa Catharina. In Boletim do Museu Nacional, 83:91.

QUINTANA, C.A. 1992. Estructura interna de una paleocueva, possiblemente de un Dasypodidae (Mammalia, Edentata) del Pleistoceno de Mar Del Plata (província de Buenos Aires, Argentina). Ameghiniana, 29:1: 87-91.

RIBEIRO, P.A.M. & RIBEIRO, C.T. 1985. Levantamentos arqueológicos no município de Esmeralda, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista do CEPA, Santa Cruz do Sul, 12:14:1-124..

RIBEIRO, P.A.M. 1999-2000. A tradição Taquara as casas subterrâneas no sul do Brasil. Revista de Arqueologia Americana, Instituto Panamericano de Geografia e História, 17-18-19.

REIS, M.J. 1980. A Problemática Arqueológica das Estruturas Subterrâneas no Planalto Catarinense. Dissertação de Mestrado. Erechim, Habitus.

ROHR, J.A. 1971. Os sítios arqueológicos do planalto catarinense. Pesquisas nº24. IAP, São Leopoldo.

SCHMITZ, P.I. & BECKER, I.B. 2005. Os primitivos engenheiros do planalto e suas estruturas subterrâneas: a tradição taquara. Documentos 5, pré-história do Rio Grande do Sul, Arqueologia do Rio Grande do Sul, São Leopoldo, pp. 65-100.

VIZCAÍNO, S.F.; ZARATE, M.; BARGO, M.S.; DONDAS, A. 2001. Pleistocene burrows in the Mar del Plata area and their probable builders. Acta Paleontologica Polonica 46:2:289-301.

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

WAISMAN DE AZEVEDO, L.; MOEHLECKE COPÉ, S. A gênese das galerias subterrâneas do planalto sul brasileiro. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 144–157, 2012. DOI: 10.24885/sab.v25i1.344. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/344. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo