A fluidez das relações materiais. Uma arqueologia com os pés na água

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i1.620

Palavras-chave:

Água, Arqueologia, Fluidez, Material

Resumo

O presente artigo nasce de um trabalho de Arqueologia do presente, desenvolvido desde o ano de 2010 com pescadores. A partir da experiência vivida ao longo dos últimos oito anos, delimitou-se como objetivo central compreender a água como um material que articula as relações entre pescadores, materiais de pesca e demais seres. Para tanto, a proposta se desenvolve na caracterização da água como um material e, portanto, algo passível de estudo pela Arqueologia. Através das experiências vivenciadas, sob a tutela dos pescadores, caracterizei as qualidades materiais da água buscando a compreensão de seus aspectos constitutivos em associação com os demais materiais sólidos. Por fim, fundado nessas características, proponho a ideia de uma “Arqueologia com os pés na água”, sendo esta, centrada na percepção dos fenômenos materiais a partir do material fluído.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACHELARD, G. 1989. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 202pp.

DIEGUES, A. 2004. A Pesca Construindo Sociedades. São Paulo: NUPAB – USP, 315 pp.

EDGEWORTH, M. 2011. Fluid Pasts: Archaeology of Flow. Bristol Classical Press, 155pp.

FELDMAN, D. 2012. Chaos and fractals: an elementary introduction. Oxford: Oxford University Press, 408pp.

GIBSON, J. 1986. The Ecological Approach to Visual Perception. . New York: Psychology Press.

HAMILAKIS, Y. 2015. Arqueología y sensorialidad. Hacia una ontología de afectos y flujos. VESTÍGIOS – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, v.9, n.1, p.30-53.

HODDER, I. 2016. Studies in Human-Thing Entanglement. [s.l.]: Edição do autor.

INGOLD, T. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n.37, p. 25-44.

INGOLD, T. 2013a. Los materiales contra la materialidade. Papeles de trabajo, Buenos Aires, v.7, n. 11, p.19-39.

INGOLD, T. 2013b. Repensando o animado, reanimando o pensamento. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v.7, n.2, p.10-25.

INGOLD, T. 2015. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Editora Vozes, 390pp.

MORTON, T.2013. Hyperobjects: Philosophy and Ecology after the End of the World. Minneapolis: University of Minnesota Press, 229pp.

NORMARK, J. 2014. Water as a Hiperfact. Current Swedish Archaeology, v. 22, p. 183-206.

PÉTURSDÓTTIR, T. 2017. Climate change? Archaeology and Anthropocene. Archaeological Dialogues, v. 24, n. 2, p. 175–205.

PÉTURSDÓTTIR, P; OLSEN, B. 2018. Theory adrift: The matter of archaeological theorizing. Journal of Social Archaeology, v.18, n. 1, p. 97-117.

SILVA, L. 2012. Pescadores da Barra do João Pedro, um estudo etnoarqueológico. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, PPGH, PUCRS, 127pp.

SILVA, L. 2015. Com vento a lagoa vira mar: uma etnoarqueologia da pesca no litoral norte do RS. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 10, n. 2, p. 537-547.

SILVA, L. 2017. Nas cordas, anzóis, redes e gaiolas: seguindo os materiais na pesca artesanal. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, Pelotas, v.5, n.1, p. 115-128.

SILVA, L. 2018. Os materiais de pesca fluindo. Uma Arqueologia com os pés na água. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 206pp.

SPINOZA, B. 1987 [1677]. Ética demostrada según el orden geométrico. Madrid: Alianza editorial, 463pp.

TILLEY, C. 1994. A phenomenology of landscape. Oxford: BERG, 221pp.

TILLEY, C. 2004. The materiality of Stone. Oxford: BERG, 244pp.

TILLEY, C. 2008. Phenomenological Approaches to Landscape Archaeology. IN: DAVID, B; THOMAS, J. Handbook of landscape archaeology. New York: Left Coast Press, p. 271-276.

THOMAS, J. 2017. Concluding remarks: landscape, taskscape, life. IN: RAJALA, U; MILLS, P. Forms of Dwelling: 20 Years of Taskscapes in Archaeology. Oxford: Oxbow Books, p. 268-279.

THOREAU, H. 2012. A desobediência civil. São Paulo: Companhia das Letras, 150pp.

WAGNER, R. 1991. A pessoa fractal. Ponto Ube: traduções.

Downloads

Publicado

2019-06-25

Como Citar

SILVA, L. A. da. A fluidez das relações materiais. Uma arqueologia com os pés na água. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 108–128, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i1.620. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/620. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo