Cachimbos brancos da região do Valongo

o cachimbo cosmopolita no Rio de Janeiro oitocentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i2.700

Palavras-chave:

Cachimbos de caulim, Cais do Valongo/Cais da Imperatriz, Século XIX

Resumo

Os cachimbos de caulim recuperados nas escavações do Cais do Valongo / Cais da Imperatriz e suas imediações foram atribuídos, na sua quase totalidade, ao século XIX. Foram utilizados e descartados no entorno e nas proximidades do cais, região portuária caracterizada por grande diversidade étnica. Tais pitos atestam a inserção do Rio de Janeiro, recém liberto das práticas monopolistas de Portugal, em uma economia cada vez mais global, na qual o trânsito de pessoas e mercadorias vindas de diferentes pontos era particularmente intenso. Nesse cenário, foi observada a predominância da fabricação francesa nos cachimbos de caulim encontrados, coerente com o que ocorreu na indústria e comercialização desses objetos no resto do mundo. Considerando as informações arqueológicas e alguns dados históricos sobre importação e venda de cachimbos no Rio de Janeiro, especula-se a respeito dos contextos em que eles podem ter sido utilizados, nessa cidade, nos oitocentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ATKINSON, David & OSWALD, Adrian. 1969. London clay tobacco pipes. The Journal of the British Archaeological Association, v. 32, p. 171-227.

BENJAMIN, Walter. 2013. Paris, a capital do século XIX. In: Textos de Walter Benjamin, pp. 30-43. Disponível em:<<https://teoriadoespacourbano.files.wordpress.com>>. Acesso em 03/01/2018.

BINFORD, Lewis. 1978. A new method of calculating dates from kaolin pipe stem samples. In: SCHUYLER, R (Ed.). Historical Archaeology: a guide to substantive and theoretical contributions. Nova Iorque, Bayood Publishing Company Inc, pp.66-67.

BRADLEY, James & DEANGELO, Gordon. 1981. European clay pipe marks form 17th century Onondaga Iroquois sites. Archaeology of Eastern North America, v. 9, p. 109-133.

CAVALCANTI, Nireu. 2004. O Rio de Janeiro Setecentista. A vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro: Jorge ZaharEditores.

COSTA, Emília Viotti. 2000. Alguns aspectos da influência francesa em São Paulo na segunda metade do século XIX. Revista de História, USP, São Paulo, 142-143:277-308.

DUCO, Don. 1987. De Nederlandse Kleipijp, Leiden: Museu do Cachimbo.

DUCO, Don. 2004. The European clay pipe: its flourish and ultimate fall, 1830-1940. Amsterdã: Pijpenkabinet. 192pp.

ELTIS, David &HALBERT, Martin (ed.). 2008. Voyages: Trans-Atlantic Slave Trade Database, http://www.slavevoyages.org.

FAVETON, Pierre. 1988. Autour Du tabac: Tabatières, pipes, cigars, allumettes e briquets. Paris: Editor Charles Massin.

FAZENDA, José Vieira. 2011. Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro. DocumentaHistórica [1919-1924]. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, vols. I a V.

FLORENTINO, Manolo. 1997. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras.

FLORENTINO, Manolo; RIBEIRO, Alexandre; SILVA, Daniel. 2004. Aspectos Comparativos do Tráfico de Africanos para o Brasil (Séculos XVIII e XIX). Afro-Ásia 31: 83–126.

GAMBIER. 1868. Fabrique de pipes: Vve Hasslauer successeur de Gambier, Givet, L. de Lacourt. 104pp.

GOES, Benedict. 1993.The intriguing design of Tobacco Pipes. Leiden: Pijpenkabinet.

GOJAK, Denis & STUART, Iain.1999. The potential for the archaeological study of clay tobacco pipes from Australian sites. Australasian Historical Archaeology, v. 17.

HAMMOND, Peter. 1987. The London commercial agents of French clay pipe manufacturers Fiolet and Audebert Fiolet. Society for clay pipe research newsletter, n. 15.

HARRINGTON, Jean Carl. 1978. Dating stem fragments of Seventeenth and Eighteenth century clay tobacco pipes. In: SCHUYLER, R (Ed.). Historical Archaeology: a Guide to Substantive and Theoretical Contributions. Nova Iorque, Bayood Publishing Copany Inc., pp: 63-65.

HIGGINS, David. 2009. England. In: HIGGINS, David. (ed.). Journal of the Académie Internationale de la Pipe: National Clay Pipe Summaries, v. 2.

HISSA, Sarah de Barros Viana. 2018. O petyn no cachimbo branco: arqueologia e fumo nos séculos XVII ao XIX. Tese de Doutorado em Arqueologia, Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 554pp.

HISSA, Sarah de Barros Viana. 2019a. Brancos, castanhos e vermelhos: cachimbos arqueológicos de cerâmica no Forte Orange. Vestígios: Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, v.1, p.3-28.

HISSA, Sarah de Barros Viana. 2019b. O pito (de) holandês: cachimbos arqueológicos de caulim do Recife e de Salvador. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v.14(3), p.963-979.

HISSA, Sarah de Barros Viana. 2020. Fumo e cachimbos importados na São Paulo oitocentista. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (no prelo).

HISSA, Sarah de Barros Viana & LIMA, Tania Andrade. 2017. Cachimbos europeus de cerâmica branca, séculos XVI ao XIX: parâmetros básicos para análise arqueológica. Anais do Museu Paulista: História, cultura e material, São Paulo, 25:225-268.

HONORATO, Cláudio. 2008. Valongo: o Mercado de escravos do Rio de Janeiro, 1758-1831. Dissertação de Mestrado. Niterói, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense. 166pp.

HUME, Ivor Noël. 2001. Artifacts of Colonial America. Filadélfia: University of Pennsylvania Press.

JEHA, Silvana. 2015. A cidade-encruzilhada: O Rio de Janeiro dos marinheiros, século XIX. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 9:77-89.

KARASCH, Mary. 2000. A Vida dos Escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras.

KENYON, Thomas & KENYON, Ian. 2008.19th Century notes. Londres, Ontario Archaeological Society. 42pp.

LAMARÃO, Sérgio. 2006. Dos trapiches ao porto. Rio de Janeiro, Prefeitura do Rio de Janeiro. 174pp.

LAWRENCE, Susan &DAVIES, Peter.2011. An Archaeology of Australia since 1788. Nova Iorque: Spriger.

LIMA, Tania Andrade. 2013a. Arqueologia como ação sociopolítica: o caso do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Vestígios: Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, Belo Horizonte, 7(1):181-207.

LIMA, Tania Andrade. 2013b. Relatório Final Cais do Valongo / Cais da Imperatriz. Relatório de Atividades, depositado na Superintendência do Iphan no Rio de Janeiro.

LIMA, Tania Andrade; SOUZA, Marcos André Torres de; SENE, Gláucia. 2014. Weaving the second skin: protection against evil among the Valongo slaves in nineteenth-century Rio de Janeiro. Journal of African Diaspora Archaeology & Heritage. Londres, 3(2):103-136.

LIMA, Tania Andrade; SENE, Gláucia; SOUZA, Marcos André Torres de. 2016. Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Anais do Museu Paulista. São Paulo, 24(1):299-391.

MALLIOS, Seth. 2005. Back to the bowl. Historical Archaeology, v. 39, n. 2, p. 89-10.

MELLO NETO, Ulysses Pernambucano de. 1977a. O Galeão Sacramento (1668): Um naufrágio do século XVII e os resultados de uma pesquisa de arqueologia submarina na Bahia (Brasil). Revista Navigator, v. 13, p. 7-40.

MELLO NETO, Ulysses Pernambucano de. 1977b. O fumo no nordeste, 1500-1654. Revista do Instituto arqueológico, histórico e geográfico pernambucano, Recife, v. XLIX, p. 253-292.

MELLO NETO, Ulysses Pernambucano de. 1983. O Forte das Cinco Pontas. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife.

OOSTEVEEN, Jan Van. 2001. Kleipijpen: eenstatistische analyse. Westerheem: tijdschriftvoor de Nederlandse archaeologie. AWN, p. 31-27.

OSWALD, Adrian. 1967. English clay tobacco pipes. Londres: British Archaeological Association.

OSWALD, Adrian. 1975. Clay pipes for the archaeologist. British Archaeological Reports, Oxford, 14. 207pp.

PEREIRA, Júlio Cesar Medeiros. 2007. À flor da terra: o cemitério de pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond, Iphan.

PERROTTA, Isabella. 2011. Desenhando um Paraíso Tropical. Tese de doutorado em História. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas. 109pp.

RECKNER, Paul. 2016. Home rulers, red hands, and radical journalists: Clay pipes and the negotiation of working-class Irish/Irish American identity in late-nineteenth-century Paterson, New Jersey. In: RAFFERTY, Sean e MANN, Rob. Smoking and Culture: The archaeology of tobacco pipes in eastern North America. Knoxville: The University of Tennessee Press. p. 241-272.

RECKNER, Paul & DALLAL, Diane. 2000. Tales of five points: Working-class life in Nineteenth-century New York. Vol VI. West Chester, US General Services Administration. 302pp.

RIBEIRO, Berta. 1985. A arte do trançado dos índios do Brasil: Um estudo taxonômico. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

ROHAN, Henrique de Beaurepaire. 1968. Remodelação do Rio de Janeiro. Relatório apresentado à Câmara Municipal em 1843. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Separata do v. 275. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

VALADÃO, Regina. 2012. Tradição e criação, memória e patrimônio: a revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado em Memória Social, Rio de Janeiro, UNIRIO. 259pp.

WALKER, Iain. 1970. Nineteenth-century clay tobacco pipes in Canada. Ontario Archaeology, 16:19-35.

WHITE, Susan. 2004. Draft guidelines for using the clay tobacco pipe record sheets. In: WHITE, Susan. The Dynamics of Regionalization and Trade: Yorkshire Clay Tobacco Pipes c. 1600-1800, The Archaeology of the Clay Tobacco Pipe, XVIII, British Archaeological Reports (British Series 374), Oxford, p. 487-490.

WHITE, Susan. 2015. Clay tobacco pipes. In: ANDREWS, Phil. Riverside Exchange Sheffield. Wessex Archaeology. pp. 20-29.

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

HISSA, S. de B. V.; LIMA, T. A. Cachimbos brancos da região do Valongo: o cachimbo cosmopolita no Rio de Janeiro oitocentista. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 61–85, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i2.700. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/700. Acesso em: 16 ago. 2022.