Olhando para o passado, pensando o futuro

as pesquisas arqueológicas na Ilha do Governador, Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i2.719

Palavras-chave:

Arqueologia, Museu Nacional, Ilha do Governador

Resumo

O artigo apresenta a retomada das pesquisas arqueológicas desenvolvidas pelo Museu Nacional na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. Seu ponto de partida são as investigações lá realizadas de forma pioneira por arqueólogos nas décadas de 1960 e 1970. Utilizando uma abordagem dialógica, pretendemos apresentar algumas reflexões acerca das pesquisas na região, ontem e hoje. Buscamos, ainda, ao fim deste texto, encaminhar outras reflexões que têm se colocado como necessárias e de interesse para o trabalho de reconstrução após o incêndio que afetou o Museu Nacional em 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Cilcair; GASPAR, Maria Dulce; BIANCHINI, Gina & SABA, Ana G., 2018. Arqueologia na Ilha do Governador. Cadernos de Arqueologia Brasileira.

BARRETO, Cristiana. 1999. Arqueologia brasileira: uma perspectiva histórica e comparada. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Suplemento, 3: 201-212.

BELTRÃO, Maria C. M. C., 1972. Os Tupinambá no Rio de Janeiro. Brasília, Gráfica Alvorada.

BELTRÃO, Maria C. M. C., 2006. Arqueologia histórica: a primeira feitoria do Brasil. Canindé, 8: 123-137.

BELTRÃO, Maria C. M. C., 2014. Pré-História do Rio de Janeiro. 2a edição. Rio de Janeiro, MusAbsurda.

BELTRÃO, Maria C. M. C. & FARIA, Edna G.. 1971a. Acampamentos Tupi-Guarani para coleta de moluscos. Separata da Revista do Museu Paulista, Nova Série, 19: 97-135.

BELTRÃO, Maria C. M. C. & LARAIA, Roque B.. 1969. O método arqueológico e a interpretação etnológica. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 17: 203-217.

BELTRÃO, Maria da C. de M. C., 1973. A pesquisa arqueológica nos estados do Rio de Janeiro e Guanabara. Dédalo, 17/18: 33-39.

BELTRÃO, Maria da C. de M. C., 2009. Maria Beltrão. In: DOMINGUEZ, L. et al (Ed.), Desafios da Arquelogia: depoimentos. Erechim, Habilis, pp.49-59.

BELTRÃO, Maria da C. de M. C.; DORIA, Francisco A. M. A. & DORIA, Margareth R. P. A.. 1986. A cerâmica pré-histórica brasileira: os tupis-guaranis e a estratégia de ocupação do território. 30° Encontro Brasileiro de Cerâmica, Rio de Janeiro. Associação Brasileira de Cerâmica. p.14-19.

BELTRÃO, Maria da C. de M. C. & FARIA, Edna G., 1971b. Acampamentos Tupi-Guarani para coleta de moluscos. Separata da Revista do Museu Paulista, Nova Série, 19: 97-135.

BELTRÃO, Maria da C. de M. C. & KNEIPP, Lina. 1967. Arqueologia e geomorfologia: tentativa de abordagem interdisciplinar. Boletim Carioca de Geografia, 18: 1-16.

BRAUDEL, Fernand. 1973. The Mediterranean and the Mediterranean world in the age of Philip II. New York, Harpers & Row.

BUARQUE, Angela. 2009a. Étude de l’occupation Tupiguarani dans la région sud-est de l’État de Rio de Janeiro, Brasil. Tese de doutorado. Université Paris I, Panthéon-Sorbonne, Paris.

BUARQUE, Angela. 2009b. Pesquisas arqueológicas nos sítios Tupinambá em Araruama. In: OLIVEIRA, A. d. P. L. (Ed.), Estado da Arte das pesquisas Arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. Juiz de Fora, MG, Universidade Federal de Juiz de Fora, pp.37-63.

BUARQUE, Angela. 2010. As estruturas funerárias das Aldeias Tupinambá de Araruama. In: PROUS, A. & LIMA, T. A. (Ed.), Os Ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte, IPHAN, pp.149-172.

BUARQUE, Angela. 2011. Tupiguarani no Rio de Janeiro, uma intensa e longa permanência. In: CORDEIRO, J. (Ed.), Arqueologia do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Laboratório de Arqueologia Brasileira, pp.60-87.

BUARQUE, Angela & CORDEIRO, Jeanne. 2003. O sítio Serrano: franceses e tupinambás desconheciam o testamento de Adão. XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, São Paulo. All Print.

CHMYZ, Igor. 2009. As comemorações do cinquentenário do Centro de Estudos e Pesquisas Arqueológicas da Universidade Federal do Paraná - CEPA/UFPR (1956-2006). Revista do CEPA, 4: 1-30.

CIPOLLA, Craig N., 2013. Becoming Brothertown : Native American ethnogenesis and endurance in the modern world.

CIPOLLA, Craig N., 2017. Native American Diaspora and Ethnogenesis: 1-23 pp.

CONVERY, Ian & CORSANE, Gerard & DAVIS, Peter. 2014. Displaced heritage: responses to disaster, trauma and loss. Woodbridge, The Boydell Press.

CUNHA, Ernesto Salles. 1960. Afecções alvéolo-dentárias em mandíbulas de aborígenes da Ilha do Governador (Guanabara). Revista do sindicato de Odontologia do Rio de Janeiro, 6(7): 13-18.

CUNHA, Ernesto Salles. 1963. Sambaquis e outras jazidas arqueológicas. Rio de Janeiro, Editôra Científica.

DEAGAN, Kathleen. 1996. Colonial transformation: Euro-American cultural genesis in the early Spanish-American colonies. Journal of Field Archaeology, 52(2): 135-160.

DIAS JR., Ondemar. 1967. Notas prévias sobre pesquisas arqueológicas nos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro. Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi, 6: 89-101.

DIAS JR., Ondemar. 1972. Síntese da pré-história do Rio de Janeiro. Revista de História, 1: 3-21.

DIAS JR., Ondemar. 1998. O índio no Recôncavo da Guanabara. Revista do IHGB, 159(399): 353-641.

DIAS JR., Ondemar. 2014. Uma história da Arqueologia brasileira contada por quem a viveu. Instituto de Arqueologia Brasileira, Série História da Arqueologia, pp.1-10.

DIAS JR., Ondemar & PANACHUK, Lilian. 2008. Caracterização da tradição Tupiguarani no sudeste do Brasil. In: PROUS, A. & LIMA, T. A. (Ed.), Os ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte, Sigma, v.1, pp.91-116.

DIAZ-ANDREAU, Margarita & LUCY, Sam. 2005. Introduction. In: DIAZ-ANDREAU, M., et al (Ed.), Archaeology of identity : approaches to gender, age, status, ethnicity and religion. Oxon, Routledge, pp.1-13.

ERIKSON, Kai. 2014. Preface. In: CONVERY, I.;CORSANE, G. & DAVIS, P. (Ed.), Displaced heritage: responses to disaster, trauma and loss. Woodbridge, The Boydell Press, pp.xvii-xx.

FERNANDES, Fernando Lourenço. 2008. A Feitoria Portuguesa do Rio de Janeiro. História, 27(1): 155-194.

FERREIRA, Lúcio M. & NOELLI, Francisco S., 2007. Richard Francis Burton, os sambaquis e a Arqueologia no Brasil Imperial. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 17: 149-168.

GASPAR, Maria Dulce. 1995. Parâmetros demográficos para a ocupação pré-histórica dos pescadores, coletores e caçadores. In: BELTRÃO, M. C. M. C. (Ed.), Arqueologia do estado do Rio de Janeiro. Niterói, Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, pp.35-42.

GASPAR, Maria Dulce. 2015; Levantamento arqueológico e etno-histórico para o programa de resgate do patrimônio arqueológico, histórico e cultural do Rio Galeão. Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

GASPAR, Maria Dulce, CORDEIRO, Jeanne & ESCÓRCIO, Eliana. 2007. Tratamento dos Mortos entre os Sambaquieiros, Tupinambá e Goitacá que ocuparam a Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 17: 169-189.

GIDDENS, Antony. 1989. A constituição da sociedade. São Paulo, Martins Fontes.

GLOWCZEWSKI, Barbara. 2015. Resisting the disaster: between exhaustion and creation. Spheres, 2: 1-19.

GOMES, Fabricio A. S.. 2015. Maracajás na Ilha de Paranepecu: os Temiminós e sua importância nas comemorações dos 450 anos do Rio de Janeiro. Terci, 5(2): 8-14.

GOODRUM, Matthew R., 2012. The Idea of Human Prehistory: the Natural Sciences, the Human Sciences, and the Problem of Human Origins in Victorian Britain. History and Philosophy of the Life Sciences, 34: 117-146.

GOULD, D. Rae. 2013. Cultural practice and autenticity: the search for real Indians in New England in the 'historical' period. In: SCHMIDT, P. & MROZOWSKI, S. A. (Ed.), The death of prehistory. Oxford, Oxford University Press, pp.241-266.

HODDER, Ian. 1987. The contribution of the long term. In: HODDER, I. (Ed.), Archaeology as long-term history. Cambridge, cambridge University Press, pp.1-8.

IPANEMA, Cybelle de. 2013. História da Ilha do Governador. 2ª edição. Rio de Janeiro, Mauad X.

KEHOE, Alice B.. 2013. Prehistory's history. In: SCHMIDT, P. & MROZOWSKI, S. A. (Ed.), The death of prehistory. Oxford, Oxford University Press, pp.31-46.

KNEIP, Lina; MONTEIRO, Antonio M. & SEYFERTH, Giralda. 1980. A Aldeia Pré-histórica de Três Vendas. Araruama, Estado do Rio de Janeiro. Revista do Museu Paulista, Nova Série, 27: 283-337.

LANGER, Johnni. 2001. Os sambaquis e o Império: escavações, teorias e polêmicas. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 11: 35-53.

LATOUR, Bruno. 2001. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, EDUSC.

LIEBMANN, Matthew. 2012. The rest is history: devaluing the recent past in the archaeology of the Pueblo Southwest. In: OLAND, M.; HART, S. M. & FRINK, L. (Ed.), Decolonizing Indigenous Histories. Tucson, The University of Arizona Press, pp.19-44.

LIEBMANN, Matthew. 2013. Parsing Hybridity: Archaeologies of Amalgamation in Seventeenth-Century New Mexico. Carbondale, Southern Illinois University Press.

LIGHTFOOT, Kent. 1995. Culture contact studies: redefining the relationship between Prehistoric and Historical Archaeology. American Antiquity, 60(2): 199-217.

MATTHEWS, Christopher N., 2007. History to prehistory: an archaeology of being Indian. Archaeologies, 3(3): 271-295.

MEGGERS, Betty, et al. 1969. Arqueologia Brasileira em 1968. Publicações avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi, 12: 3-40.

MEGGERS, Betty & EVANS, Clifford. 1967. Preface. Boletim do IAB, 5: 2-3.

MENESES, Ulpiano T. de B., 2018. Os museus e as ambiguidades da memória: a memória traumática. São Paulo, SISEM: 1-16 pp.

MITCHELL, Mark D. & SCHEIBER, Laura L., 2010. Crossing divides: archaeology as long-term history. In: SCHEIBER, L. L. & MITCHELL, M. D. (Ed.), Across a great divide: continuity and change in native north americam societies (1400-1900). Tucson, The University of Arizona Press, pp.1-22.

NEME, Salete & BELTRÃO, Maria da C. M. C.. 1993. Tupinambá, franceses e portugueses no Rio de Janeiro durante o século XV. Revista de Arqueologia, 7: 133-151.

OLSEN, Bjørnar. 2010. In defense of things : archaeology and the ontology of objects. Lanham, AltaMira Press.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz & SZTUTMAN, Renato. 2010. Notícias de uma certa conferederação Tamoio. Maná, 16(2): 401-433.

PROUS, André. 1980. História da pesquisa e da bibiografia arqueológica no Brasil. Arquivos do Museu de História Natural, 4-5: 11-24.

RAINBIRD, Paul. 2007. The archaeology of islands. Cambridge, New York, Cambridge University Press.

REIS, José A. dos. 2002. Prolegômenos sobre teoria na Arqueologia. Diálogos, 6: 173-186.

REVET, Sandrine. 2018. Contar e narrar os desastres. Lumina, 12(2): 5-18.

RUBERTONE, Patricia. 2000. The Historical Archaeology of Native Americans. Annual Review of Anthropology, 29: 425-446.

SCHEIBER, Laura L. & MITCHELL, Mark D., 2010. Across a great divide : continuity and change in native North American societies, 1400-1900. Tucson, University of Arizona Press.

SCHELL-YBERT, Rita; MACARIO, Kita; BUARQUE, Angela; MEIGIKOS, Roberto & BEAUCLAIR, Mariana. 2008. A new age to an old site: the earliest Tupiguarani settlement in Rio de Janeiro State. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 80(4): 763-770.

SCHMIDT, Peter R. & MROZOWSKI, Stephen A., 2013a. The death of prehistory. Oxford, Oxford University Press.

SCHMIDT, Peter R. & MROZOWSKI, Stephen A., 2013b. The death of prehistory: reforming the past, looking to the future. In: SCHMIDT, P. & MROZOWSKI, S. A. (Ed.), The death of prehistory. Oxford, Oxford University Press, pp.1-30.

SILLIMAN, Stephen W., 2010. Indigenous traces in colonial spaces. Journal of Social Archaeology, 10(1): 28-58.

SOUZA, Marcos André T. de. 2017. A Arqueologia dos grupos indígenas em contextos históricos: problemas e questões. Revista de Arqueologia, 30(2): 144-153.

SOUZA, Marcos André T. de & BUARQUE, Angela. 2018; Projeto Ilha do Governador. Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

SOUZA, Sheila M. de. 2011. A Paleopatologia no Brasil: crânios, parasitos e doenças do passado. In: FERREIRA, L. F.;REINHARD, K. J. & ARAÚJO, A. (Ed.), Fundamentos da Paleoparasitologia. Rio de Janeiro, Editôra Fiocruz, pp.53-68.

TRIGGER, Bruce G., 1989. A history of archaeological thought. Cambridge, Cambridge University Press.

TRIGGER, Bruce G., 2006. A history of archaeological thought. 2ª edição. Cambridge, U.K., Cambridge University Press.

VARIEN, Mark D. & POTTER, James M., 2008. The Social Production of Communities. In: VARIEN, M. D. & POTTER, J. M. (Ed.), The Social Construction of Communities. Lanham, Md., Altamira Press, pp.1-18.

VOSS, Barbara L., 2008. The archaeology of ethnogenesis : race and sexuality in colonial San Francisco. Berkeley, University of California Press.

WITMORE, Christopher L., 2009. Prolegomena to open pasts: on archaeological memory practice. Archaeologies, 5(3): 511-545.

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

SOUZA, M. A. T. de; BUARQUE, A. Olhando para o passado, pensando o futuro: as pesquisas arqueológicas na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 178–196, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i2.719. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/719. Acesso em: 7 ago. 2022.