Editorial

Autores

  • Cristiana Barreto
  • Juliana Salles Machado
  • Eduardo Góes Neves
  • Andres Zarankin
  • José Roberto Pellini
  • Fernanda Codevilla Soares

Resumo

A Arqueologia surge como parte de um projeto capitalista de construção do passado para sustentar um determinado modelo de poder.
Passaram-se quase cem anos para que a arqueologia se indisciplinasse (HABER, 2011) e começasse assim a questionar criticamente as narrativas universalizantes sobre as quais se sustenta o sistema, mostrando que duas das características mais perversas do capitalismo se fazem presentes na prática disciplinária: primeiramente, o capitalismo tem a capacidade de absorver a critica, de transformá-la, de esvaziá-la de seu sentido original e trazê-la de volta, desta vez com enunciados sem conteúdos ou até como mercadoria; e em segundo lugar, a perversão do capitalismo se dá na medida em que sua legitimidade se baseia na renuncia voluntária das pessoas em favor de um falso bem associado ao materialismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-30

Como Citar

BARRETO, C. .; SALLES MACHADO, J. .; GÓES NEVES, E. .; ZARANKIN, A. .; PELLINI, J. R. .; CODEVILLA SOARES, F. . Editorial. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 28, n. 2, p. 01–02, 2015. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/424. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Editorial